Home Notícias Crônica de Adão Ribeiro: SEGREDOS DA ALFAFA FOFA

Crônica de Adão Ribeiro: SEGREDOS DA ALFAFA FOFA

173
0
SHARE

Éramos um grupo coeso. Reuníamos quase todas as semanas, para descontrair, filosofar, dissertar sobre assuntos diversos. Chamávamos esses encontros, carinhosamente de “paradinha”. Isso mesmo, parávamos no tempo e esquecíamo-nos da rotina do cotidiano. Era de costume, regá-los ora com um suculento churrasco, ora com petisco, sem esquecer, é claro, das bebidas destiladas ou fermentadas.

O grupo continua a existir. Narro no pretérito mais que perfeito, para ter um sabor gostoso de história, de lenda. Sei que um dia, quando partirmos para uma churrascada no andar de cima, seremos lembrados como amigos imortais, não acadêmicos, claro! Seremos apenas um nome de rua ou teremos um busto de bronze, encravado na praça da igreja matriz. Mas, por enquanto, está bom, assim. Vamos reunindo por aqui, ora na casa do Bill Gates, ora na casa do Didi.

Um gostava de falar sobre óvni, outro de gnose, outro de contar sobre aventuras mulheris, outro discorria sobre um guru de nome Baxaregrita e, por aí se vai. Era terminantemente proibido falar ou querer resolver coisas do trabalho. Por falar nisso, eram todos oriundos do Palácio Caiçara, onde prestavam todos os tipos de serviços reais. A exceção de mim, que fazia parte das fileiras da honrosa policia secreta real. Em que pese ser forasteiro, fui muito bem acolhido pelo grupo.

A amizade lapidada a mais de uma década, permitiu que, aos poucos, fossemos agraciados com apelidos carinhosos. Tinha o Cara de Cavalo, o Pé de Gato, o Bill Gates, o dom Orlando – Alfafa Fofa, o Didi, o Cavalinho, o Fernandinho Tó Tó, o Polônia e eu, claro, o Cobra Sem Veneno. Um deles gostava de tragar uma bebida de menta, esverdeada, que a chamava de “sangue de grilo”. Enquanto nos divertíamos até altas horas, o Polônia pilotava a churrasqueira e suava mais que frango em cima de teto de zinco quente.

Em tempos de crise, que assolava não só o mundo, mas, também, o Reino Caiçara, todos os convivas, traziam algo de comestível ou bebível, para o encontro, tornando uma mesa farta. Um deles, amante da natureza e agricultor nato, não se esquecia da sua hortaliça. Chegava todo sorridente com um caixote, repleto de hortaliças diversas. Para cada uma, procurava descrever, desde o nome cientifico, até poderes fitoterápicos. Era nítido o carinho que ele nutria pela lavoura e as coisas da roça.

Enquanto ele ministrava sua aula campesina, eu ficava imaginando, chegando à horta. Ao abrir a porteira, já ia dizendo: “Bom dia, meu pé de alface! Por que o está triste meu repolho? Deixa de ser assanhada, minha couve-flor. Por onde anda a acelga? Eu não te aguento mais, meu coentro”. Creio que todas elas, recepcionavam dom Orlando, com muito amor e respeito. Ao discorrer sobre a importância das verduras no organismo humano, dispensava um carinho especial pela alfafa. Não foi á toa, que o agraciamos com o apelido de “Alfafa Fofa”. Não era bullying, coisa de americano baitola.

Entre um gole e outro, o Cara de Cavalo perturbava tanto o Polônia, que o amigo perdia as estribeiras e, assim meio gago, dizia: “Vai… vai te catar”. A gargalhada era geral. Bill Gates, o nosso maninho, como um bom anfitrião, não deixava faltar nada. Era só perceber alguém com a garganta seca, lá estava ele oferecendo uma latinha. Para falar a verdade, lá tinha de tudo, desde cachaça, até técnico de futebol. Ali, coroávamos e destronávamos governantes, resolvíamos as equações da vida, criávamos leis e revogávamos as disposições em contrário. Pensa num grupo coeso, pensa.

O gostoso do grupo, não era só a descontração e a degustação da comida e da bebida, mas, acima de tudo, a busca do bem comum. Quando alguém precisava de ajuda ou de socorro, lá estavam todos estendendo a mão. Era preciso entender, que não havia jogo de vaidade e, ainda, expurgava-se qualquer sinal de traição, quer seja financeira ou moral. Todos falavam a mesma língua e professavam o mesmo ideal. A liberdade de expressão era soberana. “Posso não concordar com o que fala, mas lutarei de unhas e dentes, para que possa dizer”. Esse era o princípio básico de tudo.

Cavalinho, irmão caçula do Cara de Cavalo, o mais comportado do grupo era um expert em preparar uma caipirinha e, por isso, posso dizer que era um barman enrustido, que não tardava a sair do guarda-roupa. Didi um pedreiro, preparando-se para ser justo e perfeito, sabia esquadrinhar a alma e coração dos amigos. Fernandino Tó Tó andava sumido e diziam que, depois que se acasalou com uma jurisconsulta, andava refugiado lá pelos lados da Laranja Azeda, no Condado de Itariri SP. Já o Pé de Gato, em suas filosofias e estudos transcendentais, nos levava a mundos insondados.

Mas voltemos ao assunto mãe. Desculpem-me, pois fico entusiasmado e, por isso, costumo divagar. Procuro não ser prolixo, mas não tem jeito, não sei me controlar. A alfafa fofa passou a ser imprescindível na mesa, durante os encontros do grupo. Quando alguém se encarregava de organizar o encontro, ligava para dom Orlando e dizia: “Não se esqueça de levar a alfafa fofa”. Encontro sem alfafa fofa, não era encontro, era reunião. E reunião era por demais maçante.

Penso que além dos poderes fitoterápicos da alfafa fofa, o maior deles era unir ainda mais o grupo, estreitar os laços de amizade, solidificar a amizade nascida há mais de uma década. Não existia nada de mais belo, quando todos saboreavam as folhas de tão deliciosa hortaliça. Engraçado era ver dom Orlando, querendo comer tudo sozinho. Parecia um discípulo do Huck.

Enfim, eis ai o grande SEGREDO DA ALFAFA FOFA.

Texto escrito por: Adão Ribeiro

Fundador e primeiro Presidente da Academia Peruibense de Letras. Membro da União Brasileira de Escritores. Ex-colunista dos jornais linenses “O Correio de Lins” e “Jornal Debate” Autor do livro de poesias “O Arquiteto de Ilusões” (1981)

Leia mais textos: asribeiro.blogspot.com.

LEAVE A REPLY